❤ FONTES de GRATIDÃO #2016-11-15

RENASKIĜI ❤ Apreciações - Gota de Gratidão 1 Comentário

FONTES de GRATIDÃO
#2016-11-15
de Alguns dos Participantes
de vário Kursos
com

Robiyn-Dolphin-Fenix

incluido na Série
do
“TEMPO”

#1 – ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎  ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎

CRISTINA SANTOS

“ASSUMIR Quem É e REALIZAR,
em vez de continuar, em vão, Buscando…!”

20161105-viv-tema-duplo

2016.11.15

Bom dia
Robiyn, agradecida por existir para iluminar?

Quero muito agradecer todo o seu Amor e dedicação,
disponibilidade e entrega a cada
instante a cada um de nós,
como parte integrante de um Só
– muito belo por existir para
iluminar.?

Para quem não o conhece,
seria insuficiente dizer
que não há distância para fazer o bem
pelo próximo!!!

Mas para a maioria dos demais,
seria mesmo muito “lunático” acreditar…
Por isso cada riVência
é um presente elevado ao expoente máximo,
porque só quem se entrega a Viver,
sabe o que estou
nesta simples mensagem
a tentar dizer…?

Outra forma é expressar
o manifesto de gratidão por Existir
e mesmo “distante” de Setúbal,
onde me encontro
– por me iluminar e Amar e me ajudar de tal forma,
que me fazer sentir
Viva, Capaz, e Feliz
com tudo o que me vai acontecendo e vejo acontecer . ???

? Cada mensagem e noticia que nos dá a conhecer
sobre as quais trabalhamos para um bem colectivo,
são para mim uma manifestação de AMOR sem igual.?

Como parte integrante de um só,
sinto cada gesto, cada palavra do Robiyn,
quando em cada riVência ou riKurso,
uma Alegria e realização “pessoal”
no “acertar do passo” de cada pessoa
que o Robiyn ajuda a lembrar situações do passado,
que se manifestam agora
e de forma tão rápida e simples
nos AJUDA a compreender e dar sentido
aos ” tropeços” e com essa ajuda,
todas as transformações trabalhar
– porque cabe a cada um de nós fazer a nossa parte.

Esta é a forma que encontrei
para expressar a minha gratidão
pela riVência de 5 e 6 de Novembro de 2016,
na Vagueira / Aveiro,
pelos kms que fez,
para nos vir presentear com o seu Amor.

Quero também agradecer
a nossa querida Amiga Isabel Loureiro
e ao Amigaço Tó Mané,
bem como ao filho deles, João,
com a sua Alegria contagiante,
com que nos presenteiam com as suas guitarradas,
toda a hospitalidade e carinho
com que sempre nos acolhem em sua casa,
tornando mais belo ainda,
cada fim de semana presencial.?

Muito, muito obrigado a todos
– um beijo e abraço de coração de Amor ❤

Cris?

#2 – ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎  ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎

Marco SOUSA

Relatório da riVência Vagueira
2016.11.10

20161105-viv-tema-duplo

Relatório da vivência/workshop/kurso
de 5 e 6/nov na Vagueira:

Obrigado por iluminar.
Ainda não tinha tido oportunidade
de me sentar a refletir um pouco sobre tudo.

Sobre tudo o que se passou,
sobre tudo que ficou,
sobre tudo o que para sempre ficará.

Resumo o meu relatório ao percepcionado com o filme “8 Below”
fazendo paralelos entre a fé e a lealdade dos cães.

Como lidar com uma situação
em que quem mais amamos
nos amarra a uma corrente resistente,
nos aperta a coleira no buraco mais apertado,
nos deixa sós entregues ao frio do inverno mais rigoroso,
sem água nem comida?
Trata-se de abandono?
Prova de fé?
Fruto da circunstância?

Viemos à vida neste planeta
para vivermos amarrados ao dinheiro,
com a coleira apertada ao máximo
para que nos mantenhamos agarrados ao sistema
sem possibilidade de nos soltarmos?

Fomos abandonados à nossa sorte,
num período de mudanças ímpar,
em que temos que estar no nosso melhor
mas em que este caos aparente
nos faz viver rodeados de dúvidas,
incertezas e medos?

Prova de fé?
Fruto da circunstância?
Vítimas ou reflexos?

E quão intensas se apresentam as dicotomias a cada um?
Num momento estamos com quem gostamos,
temos carinho, brincadeira, liberdade,
comida e é verão,
e depois ficamos sozinhos, presos,
sem nada, ninguém,
com frio e é inverno.

Tal como no filme,
o que é velho ficará agarrado à corrente e morrerá.

O “velho” a que me
refiro não tem a ver com a idade
mas com a atitude, os conceitos, a vibração.

Tal como no filme,
mesmo o que não fica agarrado à corrente,
o que ficar agarrado às memórias do passado
simbolizado pelas cicatrizes que transporta,
também não viverá.

Somente haverá espaço para o novo.
Novos conceitos, novas vibrações.
O novo a que me refiro
é também simbólico pois de novo nada tem.
Sempre lá esteve
e é mais velha que o próprio tempo
que foi criado para a medir, a Realidade.

Se nos mantivermos leais a ela,
de fé inabalável, com o apoio do grupo,
com o respeito pelo
papel de cada um, passem quantos dias passarem,
lá virá um que será o tal.

Estaremos onde sempre sonhámos estar,
seremos quem sempre sonhámos ser,
enquanto realizamos esse sonho aos demais.

Tal como no filme,
o que este inverno tem de espetacular
é que é branquinho.
Deixa ver tudo e tudo virá ao cima.

Tal como no filme,
mesmo que sejamos apanhados por alguma tempestade
(ou “trumpestade” como se diz agora),
mesmo que o frio nos enregele os dedos ou a cara,
se não o deixarmos chegar ao coração,
muitas vidas se podem salvar.

Obrigado Robiyn e a todos quantos tornam possível
estar a viver o meu sonho de estar aqui
convosco.

marco

#3 – ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎  ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎

Rui DANIEL

2016.11.09

Relatório da riVência
de 5 e 6 de Novembro de 2016

20161105-viv-tema-duplo

Gostei muito da Vivência da Vagueira
em que abordamos tantos temas importantes
entre os quais a nova perspectiva
para o quarto estado da água,
a capacidade impulsionadora das nossas veias
e o facto das mesmas conterem energia ao ponto de
elas próprias serem as impulsionadoras do sangue,
através de estímulos eléctricos.

Lá se vai a nossa lógica
em que o coração bombeava o sangue
pelo corpo.

Assim se vivenciam os momentos com o Robiyn,
cheios de novidades e de descobertas,
descobertas estas que nos trazem uma nova perspectiva
para a vida,
com uma maior consciência.

Gostei da sugestão do Robiyn
em arranjar uma cartolina e desenhar um painel,
e assim seria Rui Painel…

Na fábrica, estava num serviço no qual,
dispunha de algum tempo livre
e como tinha um monte de cartões que juntamos para reciclar,
desenhei um painel de instrumentos
e logo fiz algumas associações entre as quais
o facto de ao desenhar os manómetros,
surgiu-me que um avião tem muitos botões
e que uma nave seria muito mais intuitiva,
mais simples, com muito menos botões!

Terei sido piloto de uma nave
numa outra existência?

Também achei piada porque
ao ter escolhido o meu actual carro
o painel foi um dos factores
que me atraiu muito.

Alguns instantes depois
senti fortes dores no estômago e um inchaço familiar,
parecido ao das crises que tenho tido,
já reparei que o estômago tem como que vontade própria,
ou incha por estar vazio,
produzindo o que parecem ser ácidos.

Mas, se comer rapidamente as dores passam,
ou por outro lado, incha-se (o estômago)
“ achar” que comi demais,
que foi o que me aconteceu no Domingo,
quando estava na mesa da sala de jantar
na Vagueira.

Na verdade nem comi demais
comparativamente com o que é normal comer,
mas “ele” (o meu estômago),
parece ter vontade própria.

Depois da história da Sandra,
em que teve cerca de 7 horas em trabalho de parto,
cheia de dores e a dada altura com as águas já rebentadas,
e mesmo assim não queria incomodar o Robiyn,
não achei de direito pedir ajuda
e apressei-me a ir vomitar
para tentar aliviar aquela pressão…

Fui à casa de banho da cave
para não alarmar as pessoas, mas,
ouvi barulho e ela a Isabel
que tinha ido buscar as sobremesas,
fiquei preocupado se ela teria ouvido,
mas como me pediu ajuda para levar
os Bolos para cima logo descansei.

Mas assim que pousei o bolo
senti o estômago a inchar de novo
e la fui eu vomitar de novo cave…

Mas melhorou,
e a partir daí
foi sempre a harmonizar…

Depois também me deitei no chão da sala,
e o André Pratas reparou
que eu não estava bem
e disse-lhe que me sentia um pouco enjoado,
ele começou logo a visualizar a cor prateada em mim,
e passado uns minutos
disse-me que também estava a ficar indisposto,
talvez por afinidade…
eu até sugeri que ele me visse prateado
– que eu vê-lo-ia a ele,
mas que eu teria maior facilidades que ele,
que já é Pratas.

Ele até me perguntou
se eu queria que ele me metesse as mãos,
mas eu não queria distrair as pessoas e agradeci,
mas que era melhor não…

Também quero agradecer ao Robiyn que a dada
altura me tocou no estômago…

Enfim, mais uma maravilha de fim-de-semana,
estou grato a todos os que participaram
e principalmente ao Robiyn pelo trabalho
que tem vindo a desenvolver
pela Humanidade!

#4 – ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎  ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎ ❤︎

Carla MOINHEIRO

2016.11.02
???

Apreciação do iKurso / riKurso

“SOBREviver:
MORTE gota-A-gota…!
É Isso – que é –
VIDA PARA VOCÊ…?!”
29 e 30 / Out / 2016

20161029-ik-sobreviver

Obrigada por este iKurso Robiyn,
Algumas das ocasiões em que,
ao ouvir o Robiyn e na interação do Robiyn com todos,
me ajudaram a despertar um pouco mais claramente:

Sobre os bebés nascerem
e serem logo “carimbados” com uma nacionalidade
e condicionados a uma só língua:

E dentro desse tema,
a notícia (que o Robiyn nos mostrou)
sobre a menina com 4 anos de idade que é fluente em 7 línguas.

…O Robiyn comentou que existe essa possibilidade
de se saber várias línguas ao mesmo tempo.

…E que já há muitos anos atrás,
tinha começado a desenvolver no planeta
um “trabalho” nesse sentido.

…Elucidando ainda que a menina
tinha despertado esse mesmo processo em si,
espontaneamente.

…Ainda na sequência,
comentando sobre o brilhantismo do Esperanto nesse sentido,
mas que infelizmente foi abafado…

(Agora comentando,
por acaso mais ou menos há 2 dias atrás deste iKurso,
tive um esboço de um “flash”
de uma lembrança de quando era muito bebé
e da perceção de uma mudança de energia e linguagem,
talvez de quando cheguei a Portugal,
nasci em Angola).

Gostei muito de ver o folheto virtual dos cursos
e dos vários níveis e o trecho do Robiyn,
sobre “O DESPERTAR DO GÉNIO”,
especialmente naquele momento,
depois de termos tido acesso a várias notícias muito interessantes
(através do Robiyn),
sobretudo sobre o Elon Musk e outras…

Neste iKurso
à medida que ia ouvindo
o Robiyn explicar sobre certas coisas,
fui sentindo vários “pontinhos” dentro de mim
a serem despertados,
mas é algo que nem na altura,
e muito menos agora,
consigo alcançar,
explicar ou sentir de forma lógica.

Gostei muito da explicação
e do Exercício do “Dinheirossauro”…
da explicação sobre o “Mete-ouro”
e que chegou a hora da Luz Dourada
(com o Prateado limpando primeiro).

Comentamos sobre o trabalho
e dedicação magníficos do Paulo Fontes
e as suas imagens tão bonitas,
inspiradoras de vida,
para todos nós!

Obrigada Robiyn e TODOS,
por existirem na minha vida,
peço desculpa à Família do Robiyn,
por estarem a ser sacrificados
por não estarmos a ajudar o Robiyn como deve ser
(claro, estou a falar apenas da minha parte!).

Abraços para todos,

Carla

Comentários 1

  1. Olá, grato por existirem:)

    Antes demais quero agradecer à Cristina Santos e à Carla Moinheiro pela partilha, é isso que dá cor ao Mundo:)

    Quero também agradecer o Marco Sousa pela partilha em relação ao filme “8 below” que vimos na Vagueira, realmente não tinha pensado nessa questão das correntes, o Robiyn usa o termo de “amarras” que vai dar ao mesmo, vivemos “amarrados/acorrentados” pela lógica e pelo medo, que ainda por cima estão interligados!
    Mas que grande embrulhada!

    As boas noticias são que podemos libertar-nos de tudo isso com as técnicas que nos são apresentadas nos Workshops, e é um privilegio poder participar do Mundo Encantado da RENASKIĜI 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *